O presidente do Brasil, mais uma vez, foi exposto pela sua incompetência. O único conforto para o resto da América Latina é que ele não tem nenhuma influência.

declaracao a imprensa 1803200947aaaaa 1024x683 O Narcisismo de Bolsonaro tomou uma nova reviravolta. E agora ele tem sangue brasileiro nas mãos
“Um imbecil à frente do governo brasileiro sempre foi uma realidade. Mas Bolsonaro é uma calamidade”

Tenha pena do povo do Brasil. Eles agora lutam com um dos maiores desafios de sua história, liderados por um homem que não está apenas entre os piores ocupantes do Palácio do Planalto, mas cujo caráter o torna a última pessoa na face da Terra que você indicaria para ser. no comando neste momento. Na sexta-feira, o Brasil alcançou o topo da tabela da América Latina de infecções por coronavírus. Nenhuma lei da natureza ditou esse resultado. Muito disso é diretamente atribuível a um fato terrível: que Jair Bolsonaro é presidente do Brasil

Tornou-se um lugar-comum observar a falta de empatia humana básica de Bolsonaro, sua tendência a não se deixar levar pela perda de outras pessoas. Mas essa lacuna em sua mentalidade importa agora muito além da incapacidade de oferecer consolo aos enlutados: está distorcendo sua abordagem de uma doença letal.

Bolsonaro e seus integrantes afirmam que, embora a morte em massa não seja o ideal, é melhor do que permitir que a economia brasileira pare. Se o coronavírus é um artista que pergunta ao Brasil: “Seu dinheiro ou sua vida”, a resposta de Bolsonaro foi: “Tire a vida dos idosos e dos fracos: quero o dinheiro”.

Obviamente, essa escolha não está disponível. Mesmo se Bolsonaro conseguisse o que queria, afastando o distanciamento social e deixando o Brasil aberto para os negócios, a doença não restringiria politicamente seu apetite aos grupos que o presidente considerava dispensáveis. Em vez disso, o vírus corria desenfreado, infectando metade da população estimada. Não que Bolsonaro saiba ou reconheça que, graças a um segundo traço de caráter que, como o vazio onde deveria estar seu senso de compaixão, é tão fatal e fatalmente, determinando a resposta do Brasil a essa pandemia: seu desprezo pela ciência.

“Um imbecil à frente do governo brasileiro sempre foi uma realidade. Mas Bolsonaro é uma calamidade”

O efeito é minar qualquer esforço de saúde pública que os profissionais possam montar, enquanto tentam contornar o homem a quem servem. Na sua forma mais visual, é o briefing diário da imprensa em que a administração de Bolsonaro falha em observar as medidas de distanciamento social exigidas por seu governo ao público brasileiro, estando ele mesmo no centro de um grupo de oradores reunidos pelo pódio. Observe a insistência inicial de que o vírus não era motivo de preocupação, que não passava de gripe, que logo desapareceria, como um “milagre”. Tudo isso conseguiu baixar a guarda dos brasileiros.

Desde então, tem sido o resmungo diário das diretrizes para ficar em casa, a dica de que logo elas serão relaxadas, as absurdas promessas de que uma vacina está “muito próxima”. O impacto é evidente, em dados que confirmam que os brasileiros se dividem em linhas partidárias, mesmo nos assuntos mais básicos da mortalidade. Um em cada quatro eleitores de Bolsonaro ainda diz que “não está nem um pouco preocupado” com o vírus – enquanto apenas 5% dos petistas estão igualmente incomodados. Apenas 14% dos seguidores de Lula confiam no governo federal para obter informações sobre o vírus, em comparação com 90% dos fanáticos seguidores do atual ocupante do Palácio do Planalto. Simplificando, há um corpo de brasileiros que não leva essa ameaça tão a sério quanto deveria, e a culpa é do presidente.

A desonestidade de Bolsonaro também importa aqui. Ele foi ridicularizado em 2018 como um “vendedor de óleo de cobra”, e o clichê é tão desgastado que é fácil esquecer o que se refere originalmente: os vendedores ambulantes do século XIX que vendiam curas falsas para o crédulo. “Ele é mais falso que Fanta Uva”, dispara um funcionário do Departamento de Estado na capital americana.

O presidente brasileiro sempre foi caprichoso e vingativo, mas agora essa falha de caráter é uma questão de vida ou morte. Os governadores estaduais estão clamando por ajuda federal, não por si mesmos, mas pelas pessoas que representam: os enfermeiros e médicos que precisam de equipamentos de proteção e kits de teste, os pacientes que precisam de equipamentos. É caso de vida ou morte. Mas, em vez de pedir ajuda, Bolsonaro diz aos governadores que é sua responsabilidade, mesmo que eles tenham uma fração do poder de compra do governo do Brasil – acrescentando que, se quiserem ajuda, eles se saem melhor. “É uma via de mão dupla”, disse Bolsonaro nesta semana. “Eles têm que nos tratar bem.” Mesmo quando vidas estão em risco, seu ego, com sua pele fina como papel, vem em primeiro lugar.

Os brasileiros pagarão um preço muito alto por sua falta de planejamento. Ainda assim, ele repete a frase de que ninguém poderia saber o que estava por vir. E eles estão pagando o preço por sua fraqueza, pois ele exige firmeza em uma guerra contra um “inimigo invisível”, apenas para deixar pistas pesadas de que ele está pronto para desistir depois de uma semana, aparentemente decidindo que 15 dias é muito tempo para ficar em casa.

O Brasil não tem sorte de ter um robusto e dinâmico sistema federal que significa que nem todo poder recai sobre o presidente, que pelo menos alguns estão nas mãos de prefeitos e governadores responsáveis. qual os amigos corporativos de Bolsonaro poderiam afundar seus focinhos.

Mas essas são pequenas consolações para o Brasil e, de fato, para a América Latina, que precisavam da liderança que apenas um presidente do Brasil tem o poder de fornecer. Em vez disso, os povos do mundo agora olham para o Brasil e se confortam com o pequeno consolo de que, pelo menos, enfrentam apenas uma doença letal, e não a malignidade de Jair Bolsonaro.